quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

um sismo cheio de avisos



A energia de um sismo está na magnitude, e um sismo não chega horas depois de uma mensagem, nem de um telefonema nem de outra coisa qualquer. Um sismo dá-nos um aviso, que não nos dá tempo para o que quer que seja, nem nos diz quanto tempo vai demorar. É rápido e inesperado. E se eu te dissesse que connosco também foi assim.. rápido e inesperado? Ao inicio nada era previsível e tudo parecia não ter um futuro. Ás vezes os sismos, cometem grandes destroços e outras vezes nem se sentem. Sei que comparar o que temos, a um sismo, não tem nada que se assemelhe. Porque o que temos não é rápido, não chegou de um dia  para o outro, nem se foi logo embora, foi-se construindo de avisos. Por mais destroços que às vezes se façam sentir sei que são destroços que são um pouco ou nada prejudiciais mas são reparáveis. E se para uns as coisas tem que ser e parecer todas bonitas, enganas-te a meu respeito. Para mim também tem de haver de tudo. Mas entende que há coisas que não podem estar constantemente a serem reparadas. Têm que ser reparadas em poucas vezes. Olha para os carros. Se levares um carro ao mecânico uma ou duas vezes com o mesmo problema ainda o consegues meter na estrada mais um tempo, mas o conselho que te dão se voltares lá mais do que x de vezes, é que por mais trabalho que gostem de ter, o melhor é comprares um carro novo. Não quero dizer com isto, que mal repares um destroço, deves de arranjar logo outro. Mas sim, resolver outro, fazendo com que a cada dia que passe seja cada vez menos um.
Não quero nem vou estar aqui a fazer planos para o futuro, mas sei que enquanto existir um presente nada me impedirá de imaginar um futuro.

Sem comentários: