sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

a minha réplica haitiana

Ao que parece a minha cultura (ou a falta dela) fez com que me interrogasse que raio de pais é aquele e quem é aquela gente (para além de seres humanos)?
Levou-me a reconsiderar as palavras que digo quando o nosso país parece ter um mau panorama e enquanto há situações piores.. Ao que parece aquilo para além de ser um país onde a pobreza e os conflitos já gerem o país e onde existe um governo corrupto, onde não há defesa possivel, onde ao que tenho apercebido é tráfico de crianças, é armas, é um panorama que nem a UN consegue resolver e em que nem eles fazem um esforço para que tudo seja mais fácil, mais acessível, no sentido do desenvolvimento do país, da cultura e por aí fora. é certo que às vezes paga o justo pelo pecador e que eu não estou lá para ver se é assim ou não, mas com certas coisas o meu estômago anda ás voltas juntamente com a minha cabeça e a minha vontade de ajudar permanece pelas crianças que ainda estão e devem ser retiradas daquele meio para as características daquele povo mudarem de geração para geração e porque não merecem pagar pelas atitudes dos mais velhos, nem quererem seguir os seus exemplos. E se não há nada que me ajude a ficar com a consciência tranquila também não faço transferências bancárias. E acho que já expliquei, e se não expliquei acho que é óbvio. Também é óbvio que a ajuda não chegue a todos, porque cada um lida à sua maneira com a sua luta pela sobrevivência. E não estou a tornar-me arrogante nem indiferente, estou simplesmente a ver as coisas doutra perspectiva. Assim como a terra voltou a tremer.

2 comentários:

Daniela disse...

Olá!
Dado que seguias o meu blog e, infelizmente, tive de fechá-lo, deixo-te aqui o link do meu novo blog para que possas continuar a acompanhar-me, se assim o desejares.
Aqui está ele: http://haluznofundodotunel.blogspot.com
Obrigada!

Izzie disse...

as crianças que vivem nesses lugares que, infelizmente, são bastante maus não têm culpa nem deveria sofrer..