domingo, 14 de dezembro de 2008

A essência da vida são os outros. A nossa época é-lhe contrária por várias estupidezes. As pessoas valorizam-se de ser independentes, individualistas, auto-suficientes, egocêntricas, únicas, solitárias, livres. Dizem «quero lá saber do que os outros pensam!» sem perceber a terrível vaidade que isso implica.
Para termos uma noção do pouco que valemos, basta subtrair ao que somos o que aprendemos, o que lemos, o que vivemos com os outros. É só ver o que fica. Coisa pouca. Sozinho quase ninguém é quase nada. É somente juntos que podemos ser alguma coisa. A verdade é que devemos tudo a quem já nos deu, já morreu, já disse, já escreveu. E a nossa felicidade devemos-la não a nós próprios, mas a quem vive ou viveu ao pé de nós. Será isso que custa tanto a aceitar?
Nascemos dentro de um mundo cheio de hábitos, de conhecimentos e de poesia. Com a papa feita. Tudo existe sem o nosso esforço. Tudo já lá está antes da ideia que temos, da iniciativa que tomámos. Temos literaturas, histórias, línguas, regras sociais, tecnologias. Uma bela herança, feita das coisas que os outros deixaram. Não foi por serem generosos foi porque viviam connosco. Os outros são a nossa vingança, a nossa moralidade, a nossa inibição.
No pouco tempo em que vivemos e trabalhamos, limitamos-nos a acrescentar um ponto ou outro á soma que já existe. Um dia morremos. A morte é o preço que se paga pelo facto de termos vivido tão facilmente. Pelo facto de não termos de inventar a lingua que se fala, de não escrevermos os livros que se lêem, de não fazermos o pão que se come, de não sermos obrigados a estabelecer e a negociar as regras com que se vive.
Os outros são a sorte que nos cabe, são o azar que nos calha. São o nosso último recurso e a nossa primeira obrigação. Esta é a essência da sociedade. Enriquecemos quando os outros são ricos, empobrecemos quando os outros são pobres. Deixemos-nos de betices. O sentimento mais importante de todos é a solidariedade (...)
Posso dizer uma verdade? A minha maior qualidade é o meu amor, é a minha família, são os meus amigos, é a minha pátria, são os meus colegas. São os meus antepassados, são os exemplos que me deram, são os meus livros. Eis a essência da vida, de qualquer vida: a minha maior qualidade são os outros. É esta a maior qualidade de qualquer outra pessoa.
A minha maior qualidade é depender dos outros, é preocupar-me com o que pensam, é ser influenciado pelo que me dizem. Eu não sou quase ninguém. Eu sou só um. Os outros são quase tudo. São quase todos. A minha maior qualidade é não querer, saber que não posso, safar-me sozinho. É sentir-me sozinho quando estou sozinho, preso pelo amor que me prende. É sentir-me incompleto. Os outros dão-me vida. A minha maior preocupação é conhece-los, servi-los, conserva-los, merece-los. A essência da vida está fora de nós. Está nos outros todos juntos, sem lugar, sem tempo, sem saber como. A única coisa que temos é o amor

"a essência" in «o independente» miguel esteves cardoso

Sem comentários: